CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUINTA-FEIRA, 18 DE OUTUBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Parte do PT está "se lixando" para Haddad, diz Cid Gomes
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
Temor generalizado de massacre em eventual ofensiva síria em Idlib
Data Publicação:05/09/2018
As advertências aumentam ante a perspectiva de um "massacre" em Idlib, caso o regime sírio inicie uma ofensiva contra este último reduto rebelde, dois dias antes de uma reunião decisiva entre Irã, Rússia e Turquia em Teerã.

Quase todos os dias, o governo de Bashar al-Assad e sua aliada Rússia fazem declarações sobre Idlib, província do noroeste da Síria controlada pelos extremista do grupo Hayat Tahrir al-Sham, ex-braço sírio da Al-Qaeda.

O governo dos Estados Unidos pediu uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas para sexta-feira, o mesmo dia da cúpula em Teerã.

"O mundo está observando e os Estados Unidos estão observando", declarou o presidente americano, Donald Trump. "Estou acompanhando muito de perto", acrescentou.

A ONU teme que uma ofensiva para reconquistar Idlib provoque uma nova catástrofe humanitária de grandes proporções em um país devastado por uma guerra, que desde 2011 deixou mais de 350.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados.

"Que Deus nos livre! Uma chuva de mísseis poderia provocar um massacre", advertiu o presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

A Turquia, que apoia os rebeldes e dispõe de tropas em Idlib, teme que uma ofensiva provoque um grande fluxo de refugiados na fronteira.

"Com a ajuda de Deus vamos impedir uma ação extrema do regime em Idlib, obtendo resultados positivos na reunião de Teerã", disse Erdogan, em referência ao encontro, que deve ser decisivo, de sexta-feira com os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e Irã, Mohamed Rohani.

Na terça-feira, 13 civis, incluindo seis crianças, morreram em bombardeios russos contra posições rebeldes na província, informou a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

A aviação russa interrompeu os ataques nesta quarta-feira, mas a artilharia síria bombardeou várias localidades, em particular Jisr al-Shughur, oeste de Idlib, segundo o OSDH.

Conquistada em 2015 pelos insurgentes, Idlib é o último grande reduto rebelde na Síria.

A província recebeu dezenas de milhares de rebeldes e civis que deixaram os redutos insurgentes conquistados pelo exército sírio no restante do país, como os de Aleppo ou Guta Oriental.

Atualmente, a região de Idlib tem quase três milhões de moradores, metade deles deslocados pela guerra. Em 2010, a a província tinha 1,3 milhão de habitantes.

Há várias semanas o governo concentra suas tropas nos arredores de Idlib.

As potências ocidentais favoráveis aos rebeldes alertaram para um possível uso de armas químicas pelo governo sírio.

Em abril acusaram o regime sírio de ter utilizado estas armas ilegais em Idlib, uma ação que matou 40 civis, de acordo com os capacetes brancos, os socorristas das zonas rebeldes.

"Se o presidente Bashar al-Assad decidir utilizar novamente armas químicas, Estados Unidos e seus aliados responderão rapidamente e de forma apropriada", afirmou a Casa Branca em um comunicado.

Em abril, os ocidentais organizaram ataques de represália contra o exército sírio.

O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura afirmou que a ofensiva em Idlib pode começar em 10 de setembro.

O destino de Idlib pode ser definido na sexta-feira em Teerã, na reunião entre Rússia, Irã e Turquia sobre o conflito sírio.

Uma vitória em Idlib teria grande valor simbólico para Bashar al-Assad, que está determinado a retomar o controle de todo o país.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Caçadores de nazistas: casal é condecorado pelo governo francês
- Paul Allen, cofundador da Microsoft, morre de câncer, diz família
- ONGs alertam que fome alcança níveis alarmantes em 60 países
- Óvnis são avistados por 6 aviões comerciais no norte do Chile
- Idosa de 96 anos tinha fortuna de centenas de milhões - e nem mesmo sua família sabia
- Anvisa suspende a fabricação e venda de cosméticos
- Tigre branco mata cuidador em zoológico no Japão
- Obra de arte vendida por US$ 1 milhão se autodestrói após a compra
- Preso por estupro, ex-campeão mundial de boxe paga fiança de R$ 400 mil
- Na Suíça, pedreiros estudam por até 4 anos e ganham R$ 20 mil por mês
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.