CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 20 DE AGOSTO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Governo dos EUA afirma que satélite russo pode ser arma disfarçada
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
Japão testará tratamento com células iPS para Parkinson em humanos
Data Publicação:31/07/2018
Pesquisadores japoneses anunciaram nesta segunda-feira o primeiro teste em humanos com um tipo de célula-tronco para tratar o Mal de Parkinson, com base em testes anteriores em animais.

A equipe de pesquisadores da Universidade de Kyoto planeja injetar cinco milhões de células-tronco pluripotentes induzidas (iPS) - que têm o potencial de se desenvolver em qualquer célula do corpo - em cérebros de pacientes, disse a universidade em um comunicado à imprensa.

As células iPS de doadores saudáveis ​​serão desenvolvidas em células cerebrais produtoras de dopamina, que não estão mais presentes em pessoas com Mal de Parkinson.

A doença de Parkinson é um distúrbio neurológico crônico degenerativo que afeta o sistema motor do corpo, muitas vezes causando tremores e outras dificuldades no movimento.

Cerca de 10 milhões de pessoas no mundo têm essa doença, de acordo com a Fundação do Mal de Parkinson.

As terapias atualmente disponíveis "melhoram os sintomas sem retardar ou interromper a progressão da doença", diz a fundação.

Mas a nova pesquisa busca reverter ativamente a doença.

O teste clínico com sete participantes de entre 50 e 69 anos começará nesta quarta-feira. A universidade irá monitorar as condições dos pacientes por dois anos após a operação.

O teste humano chega depois de um teste anterior envolvendo macacos.

Pesquisadores anunciaram no ano passado que primatas com sintomas de Parkinson recuperaram uma mobilidade significativa depois que as células iPS foram inseridas em seus cérebros.

Eles também confirmaram que as células iPS não se transformaram em tumores durante os dois anos após o implante.

As células iPS são criadas estimulando células maduras, já especializadas, de volta ao estado juvenil - basicamente clonagem sem a necessidade de um embrião.

Estas células podem ser derivadas do paciente, tornando-as menos propensas a serem rejeitadas, ao mesmo tempo em que evitam as questões éticas de tomar células de embriões.

As iPS podem ser transformadas em uma variedade de tipos de células, e seu uso é um setor-chave da pesquisa médica.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Governo dos EUA afirma que satélite russo pode ser arma disfarçada
- Ex-secretário-geral da ONU e Nobel da Paz, Kofi Annan morre aos 80 anos
- Estado Islâmico mata casal dos Estados Unidos que dava volta ao mundo
- Motorista da Uber teria matado taxista e ferido outros dois no Chile
- Coreia do Norte limita visitas de grupos turísticos chineses
- Quênia prende suspeito de matar rinoceronte-negro
- Polícia fecha aeroporto em Berlim após confundir vibrador com explosivo
- Custo da guerra na Síria chega a quase US$ 400 bilhões, diz ONU
- A humanidade já consumiu mais recursos do que a Terra consegue gerar em 2018
- Explosão perto do aeroporto de Bolonha deixa um morto e mais de 50 feridos
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.