CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUARTA-FEIRA, 15 DE AGOSTO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Agricultor escreve nome de Bolsonaro em plantações no MS
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
EUA acreditam em acordo de paz após mudança de embaixada para Jerusalém
Data Publicação:14/05/2018
O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, e o conselheiro de Segurança Nacional do presidente Donald Trump, John Bolton, disseram, neste domingo (13), que acreditam ser possível um acordo de paz entre israelenses e palestinos depois da mudança da embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém.

"Certamente o processo de paz não está morto", declarou Pompeo em entrevista ao canal Fox.

"Estamos trabalhando duro [...] e esperamos encontrar uma saída favorável", acrescentou.

As declarações chegam um dia antes da inauguração da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém, coincidindo com o 70º aniversário da criação de Israel, em 1948. Um movimento que vai contra o consenso internacional de que o status da cidade seja decidido entre israelenses e palestinos.

Para Bolton, longe de minar o processo de paz, a mudança o "torna mais fácil".

"É um reconhecimento da realidade", argumentou neste domingo em entrevista à ABC. Segundo ele, "reconhecer a realidade sempre melhora as probabilidades de se [alcançar] a paz".

O embaixador americano em Israel, David Friedman, que apoiou o estabelecimento de assentamentos judaicos na Cisjordânia, também assinalou que há esperança de paz na região.

Reconhecendo a insatisfação dos palestinos, Friedman disse ao canal de TV Fox que "os ânimos mudarão com o tempo, porque entenderão que os Estados Unidos seguem estendendo a mão visando à paz, e as pessoas precisam focar no que é importante, na qualidade de vida, em mais infraestrutura e segurança e em melhores hospitais".

A Organização para a Libertação da Palestina classificou a decisão dos Estados Unidos de transferir sua embaixada como "uma provocação a todos os árabes".

Para o enviado palestino aos Estados Unidos, Husam Zomlot, o governo americano "abandonou o papel conciliador" ao optar pela transferência de sua embaixada, decisão que "cria um conflito religioso, em vez de uma paz digna".

Mas Zomlot diz em declaração enviada à AFP: "Não devemos renunciar à nossa convicção de que a paz é possível."

Nesta segunda-feira (14), é esperado que milhares de palestinos protestem na fronteira entre Gaza e Israel contra a instalação da embaixada americana em Jerusalém.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Estado Islâmico mata casal dos Estados Unidos que dava volta ao mundo
- Motorista da Uber teria matado taxista e ferido outros dois no Chile
- Coreia do Norte limita visitas de grupos turísticos chineses
- Quênia prende suspeito de matar rinoceronte-negro
- Polícia fecha aeroporto em Berlim após confundir vibrador com explosivo
- Custo da guerra na Síria chega a quase US$ 400 bilhões, diz ONU
- A humanidade já consumiu mais recursos do que a Terra consegue gerar em 2018
- Explosão perto do aeroporto de Bolonha deixa um morto e mais de 50 feridos
- Adolescente palestino morre em Gaza após confrontos na fronteira com Israel
- Maduro foi vítima de tentativa de ataque durante parada militar, diz governo
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.