CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Bolsonaro consegue apoio robusto nas ruas antes do segundo turno
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
OPAQ começa a investigar suposto ataque químico na Síria
Data Publicação:15/04/2018
Uma equipe de investigadores da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) iniciou neste domingo (15) na cidade de Duma, perto de Damasco, a investigação sobre o suposto ataque químico que desencadeou os bombardeios ocidentais contra o regime de Bashar al-Assad.

O presidente russo, Vladimir Putin, o principal aliado do regime de Bashar al Assad, advertiu que novos ataques das potências ocidentais contra a Síria provocariam o "caos" nas relações internacionais.

Enquanto isso, Washington disse que anunciará nesta segunda-feira novas sanções contra a Rússia em relação com o suposto uso de armas químicas por parte de tropas do governo sírio.

Estados Unidos, França e Reino Unido lançaram mísseis em um ataque coordenado neste sábado contra lugares suspeitos de armazenar ou preparar armas químicas, mas em lugares que estavam vazios. Horas depois dos ataques, os três países voltaram a destacar a importância de manter o caminho diplomático.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu neste domingo a operação militar que celebrou com a polêmica frase de "Missão cumprida".

"A incursão síria foi executada tão perfeitamente, com tanta precisão, que a única forma em que os 'meios de comunicação falsos' puderam criticá-la foi pelo uso do termo 'Missão cumprida'", indicou Trump no Twitter.

No entanto, tanto Damasco como a oposição síria subestimaram o impacto dos bombardeios.

Uma equipe de especialistas internacionais, com sede em Haia, chegou em Damasco horas depois desses bombardeios com o objetivo de indagar sobre o ataque de 7 de abril em Duma, ao leste da capital.

As potências ocidentais sustentam que houve um ataque em que se empregaram cloro e gás sarin e matou dezenas de pessoas.

O vice-ministro de Assuntos Exteriores, Faisal Mokdad, entrou no hotel Four Seasons, onde se encontram a equipe de especialistas e deixou o local três horas depois.

A equipe de especialistas geralmente começa sua investigação reunindo-se com altos funcionários, mas todas as conversacis sobre o assunto acontecem a portas fechadas.

"Deixaremos que equipe faça seu trabalho de forma profissional, objetiva, imparcial, e longe de qualquer pressão", disse à AFP o vice-ministro sírio das Relações Exteriores, Ayman Susan.

A própria OPAQ havia declarado que as reservas de armas químicas do governo sírio haviam sido retiradas em 2014, embora depois tenham confirmado que no ataque de 2017 em Jan Sheijun se utilizou gás sarin.

- Investigação complicada -

O trabalho será complicado para os investigadores que chegam no local mais de uma semana depois dos fatos, em uma área que desde então esteve sob o controle das tropas sírias e da polícia militar russa. A equipe da OPAQ terá que lidar com o risco de que as provas tenham sido eliminadas do local.

"Sempre há de se considerar essa possibilidade, e os investigadores buscarão provas que mostrem se o local do incidente foi alterado", apontou Ralf Trapp, consultor e membro de uma missão anterior da OPAQ à Síria.

Os últimos combatentes rebeldes de Duma, juntamente com os civis, foram evacuados no sábado para áreas do norte da Síria, como parte de um acordo de rendição assinado com o regime em 9 de abril, dois dias após o suposto ataque químico.

Sujeita a um cerco sufocante durante cinco anos e submetida a violentos bombardeios do regime desde 18 de fevereiro, a cidade está devastada.

Em 2014, a OPAQ indicou que a Síria havia se desfeito de seu arsenal de armas químicas, mas uma missão conjunta com a ONU concluiu que Damasco tinha usado gás sarin em 2017 contra o vilarejo de Khan Sheikhun (noroeste), uma zona rebelde.

Os presidentes americano, Donald Trump, e francês, Emmanuel Macron, afirmam ter "provas" do uso de armas químicas para justificar as incursões contra três locais ligados ao programa de armas químicas do regime - no norte de Damasco e na província central de Homs - sem fazer vítimas.

Uma autoridade do governo americano indicou no sábado, que os Estados Unidos tinha informações "mais claras" sobre o uso de cloro em Duma, mas também "informações significativas que indicam uso de sarin", um poderoso gás neurotóxico.

- "Pressão" diplomática sobre Assad -

Esses ataques despertaram a indignação da Rússia e do Irã, aliados de Damasco.

Os russos condenaram "um ato de agressão contra um Estado soberano", mas não conseguiram obter uma condenação do Conselho de Segurança da ONU.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- China quer lançar até 2020 “lua artificial” para iluminação noturna
- Caçadores de nazistas: casal é condecorado pelo governo francês
- Paul Allen, cofundador da Microsoft, morre de câncer, diz família
- ONGs alertam que fome alcança níveis alarmantes em 60 países
- Óvnis são avistados por 6 aviões comerciais no norte do Chile
- Idosa de 96 anos tinha fortuna de centenas de milhões - e nem mesmo sua família sabia
- Anvisa suspende a fabricação e venda de cosméticos
- Tigre branco mata cuidador em zoológico no Japão
- Obra de arte vendida por US$ 1 milhão se autodestrói após a compra
- Preso por estupro, ex-campeão mundial de boxe paga fiança de R$ 400 mil
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.