CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEXTA-FEIRA, 14 DE DEZEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Futuro ministro, Heleno isenta Bolsonaro no caso Coaf: Valor irrisório
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
Rússia fala em encenação de ataque químico na Síria
Data Publicação:13/04/2018
O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, classificou de "encenação", nesta sexta-feira (13), o suposto ataque químico ocorrido na semana passada na Síria, da qual participaram "os serviços especiais de um Estado", o qual não cita, mas chama de "russófobo".

"Dispomos de provas irrefutáveis de que se tratou de uma nova encenação e de que os serviços especiais de um Estado atualmente em primeira linha de uma campanha russófoba participaram" dela, declarou Lavrov em entrevista coletiva.

Segundo os capacetes brancos sírios, os socorristas em zonas rebeldes, e a ONG Syrian American Medical Society, dezenas de pessoas foram mortas em 7 de abril em Duma em um ataque com "gás tóxico", atribuído por países ocidentais ao governo Bashar al-Assad. Damasco nega qualquer envolvimento.

Na quarta-feira (11), o Exército russo acusou os capacetes brancos de terem "encenado diante das câmeras um ataque químico contra civis".

Donald Trump e vários de seus aliados ocidentais ameaçaram lançar ataques para punir Damasco.

Nesta sexta, Lavrov pediu a Washington que use com Moscou "métodos diplomáticos, que não incluam ultimatos e ameaças".

Advertindo contra uma intervenção militar e um cenário similar na Líbia e no Iraque, o chanceler russo lembrou que "mesmo excessos insignificantes provocarão novas ondas de migrantes na Europa e outros acontecimentos, de que nós, nem nossos parceiros europeus, temos necessidade".

Em uma alusão direta aos Estados Unidos, afirmou que essa onda migratória pode "alegrar aqueles que estão protegidos por um oceano" e que vão usar esse processo, segundo ele, para "continuar a dividir essa região para seus projetos geopolíticos".


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Goodyear fecha fábrica na Venezuela e paga funcionários com pneus
- Graças à sonda InSight, a humanidade agora pode ouvir os ventos de Marte
- Trump e Xi Jinping concluíram trégua comercial
- Novo protesto contra o governo mergulha França no caos
- EUA: seis pessoas sobrevivem a queda de elevador de 84 andares
- União Europeia aprova saída da Grã-Bretanha do bloco
- Argentina divulga as primeiras imagens de submarino encontrado após um ano de buscas
- EUA elogiam postura de Bolsonaro sobre o Mais Médicos com Cuba
- Brasileiro é condenado a prisão perpétua por matar tios e primos na Espanha
- Encontrada nova superterra próxima ao nosso planeta
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.