CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
TERÇA-FEIRA, 11 DE DEZEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Bumblebee
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
Putin rumo ao quarto mandato na Rússia, apesar de críticas ocidentais
Data Publicação:18/03/2018
Os russos começaram a votar na manhã deste domingo (18) - hora local, tarde de sábado no Brasil - em eleições presidenciais que devem confirmar Vladimir Putin para um quarto mandato, em um momento em que o país enfrenta um isolamento crescente pelo caso de envenenamento de um ex-espião russo e uma nova rodada de sanções americanas.

A votação começou às 08H00 locais de domingo (17h00 de sábado, hora de Brasília) no ponto mais oriental do país e se encerrará em Kaliningrado, o mais ocidental, às 15H00 de domingo, hora de Brasília. Mais de 107 milhões de eleitores foram convocados a votar no maior país do mundo, que tem onze fusos horários.

A rede de TV pública Rossiya 24 mostrou imagens da abertura dos centros de votação em Petropavlovsk-Kamchatski, na península de Kamchatka, e em Anadyr, no distrito autônomo de Chukotka.

Acusado por Londres de ter "ordenado" o envenenamento do ex-agente no Reino Unido, vilipendiado pela ONU por seu apoio a Bashar al-Assad na Síria e confrontado com novas sanções dos Estados Unidos por acusações de interferência nas eleições de 2016, Putin enfrentou uma onda de críticas de intensidade sem precedentes.

As negativas, as acusações cruzadas e adoção de sanções recíprocas marcaram a semana e são o resumo de um mandato em que a Rússia voltou ao cenário internacional, em um clima de Guerra Fria, tendo como pano de fundo o conflito na Síria, a anexação da Crimea e a insurreição no leste da Ucrânia por separatistas apoiados por Moscou, de acordo com Kiev e o Ocidente.

Mas, Putin, sempre impassível, encerrou uma campanha minimalista ao encontrar-se com agricultores, pronunciando um discurso de dois minutos em um show na Crimeia e tirando selfies com os jovens.

Com cerca de 70% das intenções de voto de acordo com as últimas pesquisas, o homem forte da Rússia, elogiado por ter restaurado a estabilidade após a caótica década de 1990, embora, de acordo com seus detratores à custa das liberdades individuais, não tem motivos para preocupação.

De acordo com todas as previsões, Putin, de 65 anos, deve ser confirmado no poder até 2024, um quarto de século depois de ser nomeado sucessor de Boris Yeltsin.

Da península de Kamtchatka ao enclave de Kaliningrado, os 107 milhões de eleitores deste imenso país com onze fuso horários começarão a votar este sábado às 20h00 GMT (17h00 de Brasília) e as urnas serão fechadas no domingo às 18h00 GMT (15h00 de Brasília).

O segundo candidato, Pavel Grudinin, do Partido Comunista, tem 7% das intenções de voto e o terceiro, o ultranacionalista Vladimir Zhirinovski, cerca de 5%.

- Geração Putin -

A ausência mais notável nesta eleição presidencial é a do opositor Alexei Navalny, o único capaz de mobilizar dezenas de milhares de pessoas, mas que foi impedido de concorrer em razão de uma condenação judicial.

Portanto, o objetivo principal do Kremlin nesta campanha era convencer os eleitores de ir às urnas, especialmente a "geração Putin", os jovens que votam pela primeira vez e que viveram toda a sua vida tendo ele como líder.

Apesar do envenenamento no Reino Unido de Serguei Skripal e de sua filha ter poucas chances de influenciar o voto dos russos, acostumados a acusações ocidentais contra Moscou, este incidente poderia antever o tom do próximo mandato, o último a que Putin pode aspirar, de acordo com a Constituição.

"As consequências na política externa para a Rússia serão mais graves" do que dentro, acredita Alexandre Baounov, especialista do Instituto Carnegie em Moscou.

- "Resistimos" -

Durante a campanha, o Kremlin fez todo o possível para que a participação, verdadeiro barômetro desta eleição, fosse a mais alta possível, especialmente após a chamada a um boicote por Navalny.

O presidente russo quase não fez campanha e se contentou com duas aparições de dois minutos cada, evitando os debates na televisão.

Putin procurou enfatizar o papel da Rússia como potência mundial, uma visão recentemente ilustrada em um discurso no parlamento em que se gabou dos novos mísseis do exército russo.

"Nos Estados Unidos e na Europa, eles tentam nos dobrar, colocar-nos de joelhos, mas resistimos", disse Serguei Babaiev, um eleitor de Moscou de 55 anos.

"Nos prometeram uma crise e nos aguentamos. Essa é a principal qualidade de Putin, ele está no centro do nosso Estado", afirmou.



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Graças à sonda InSight, a humanidade agora pode ouvir os ventos de Marte
- Trump e Xi Jinping concluíram trégua comercial
- Novo protesto contra o governo mergulha França no caos
- EUA: seis pessoas sobrevivem a queda de elevador de 84 andares
- União Europeia aprova saída da Grã-Bretanha do bloco
- Argentina divulga as primeiras imagens de submarino encontrado após um ano de buscas
- EUA elogiam postura de Bolsonaro sobre o Mais Médicos com Cuba
- Brasileiro é condenado a prisão perpétua por matar tios e primos na Espanha
- Encontrada nova superterra próxima ao nosso planeta
- Assassinato interrompe sessão em Congresso do México
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.