CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SÁBADO, 26 DE MAIO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Governo fala em locaute e cogita pedir prisão de empresários
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
Explosão contra comboio do premier palestino deixa 7 feridos em Gaza
Data Publicação:13/03/2018
Sete pessoas ficaram feridas em uma explosão nesta terça-feira (13) na passagem do comboio do primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Rami Hamdallah, pela Faixa de Gaza, onde ele fazia uma visita, um novo golpe para a frágil reconciliação entre os dois movimentos.

Hamdallah e o influente chefe do serviço de Inteligência palestino, Majid Faraj, escaparam ilesos da explosão, que aconteceu pouco depois da entrada do comboio no território, que fica entre Israel, Egito e o mar Mediterrâneo e é controlado pelo movimento islamita Hamas.

O comboio também foi alvo de tiros, segundo uma fonte das forças de segurança palestinas. O Hamas isolou a região.

Hamdallah, que viajou para Gaza para a inauguração de uma central de tratamento de água, decidiu encurtar a visita e desistiu de outros encontros previstos em sua agenda.

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, condenou um "atentado covarde" e responsabilizou o movimento islamita Hamas, segundo a imprensa palestina.

A explosão não foi reivindicada. Vários grupos islamitas radicais desafiam com frequência a autoridade do Hamas no território.

O Ministério do Interior do Hamas anunciou que três pessoas foram detidas e iniciou uma investigação.

O Hamas condenou o ataque em um comunicado, no qual afirma que era obra da "mesma mão" que cometeu o assassinato de Mazen Faqha - um comandante de seu braço armado - em março de 2017 e a tentativa de assassinato de Taufiq Abu Naim - comandante de suas forças de segurança - em outubro.

O Hamas acusou Israel pelo assassinato de Mazen Faqha, enquanto o segundo ataque foi atribuído a islamitas radicais.

O Hamas governa a Faixa de Gaza desde 2007, quando expulsou do território os representantes da Autoridade Palestina. Reconhecida pela comunidade internacional, esta última governa partes da Cisjordânia ocupada, separada da Faixa de Gaza pelo território israelense.

Após anos de divergências, o Hamas aceitou em 12 de outubro, no Cairo, ceder o controle do território à Autoridade Palestina. O acordo despertou a esperança de uma situação melhor no território, submetido ao bloqueio israelense e egípcio.

Hamas e Autoridade Palestina ainda não superaram as divisões e o acordo de 12 de outubro não foi colocado em prática.

Ao mesmo tempo aumentam as advertências sobre a deterioração das condições de vida no território, afetado por guerras, pobreza, desemprego, isolamento e escassez de água e de energia elétrica.

Israel justifica o rigoroso bloqueio terrestre, aéreo e marítimo imposto à Faixa de Gaza desde 2007 pela necessidade de conter o Hamas, um de seus maiores inimigos, contra o qual já se envolveu em três guerras.



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Casal francês é declarado culpado de matar babá em Londres
- Na Venezuela, litro da gasolina custa R$ 0,04
- Normas de proteção de dados deixam sites dos EUA inacessíveis na Europa
- Coreia do Norte demole local usado para testes nucleares, diz Pyongyang
- No Afeganistão, um alcorão de seda para preservar o patrimônio cultural
- Pequim diz que China e EUA concordam em evitar guerra comercial
- Cuba confirma 110 mortes em queda de avião; caixa-preta é encontrada
- Maduro vota e diz que há campanha feroz contra a Venezuela
- Estudo confirma que Hitler morreu em 1945, segundo análises de seus dentes
- Remédios em falta e crianças sem tratamento expõem crise da saúde na Venezuela
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.