CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUARTA-FEIRA, 20 DE JUNHO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Apple assina contrato de muitos anos com Oprah Winfrey
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
Grupos alemães anunciam operação que mudará setor energético
Data Publicação:11/03/2018
Os grupos alemães de energia RWE e E.ON anunciaram neste domingo uma grande operação de intercâmbio de atividades e de capital no valor de mais de 25 bilhões de dólares.

A decisão representa uma grande mudança para o setor energético, no momento em que o país abandona a energia nuclear, e uma reestruturação da produção, distribuição e comercialização de eletricidade e gás na Alemanha e em outros locais da Europa.

O acordo de princípio, anunciado pela RWE, levará a uma nova divisão de papéis entre as duas empresas, antigas concorrentes. Ainda é necessário que os acionistas das sociedades envolvidas e as autoridades de concorrência aprovem a mudança.

Desta forma, a RWE se concentrará na produção de energia, convencional e renovável, e a E.ON, na distribuição da energia e em sua comercialização.

A RWE passará a fazer parte de 17% do capital da E.ON, através de uma ampliação do mesmo.

"Durante décadas, E.ON e RWE foram grandes rivais, e agora chegaram a um acordo, em uma transação espetacular, que irá reconfigurar o mercado europeu de energia", publicou o jornal econômico "Handelsblatt" em seu site.

A operação prevê a venda à E.ON e posterior desmantelamento da Innogy, filial da RWE criada há dois anos para reagrupar suas atividades de produção de energia renovável e as redes de distribuição e comercialização de eletricidade.

Seu diretor geral, Peter Terium, foi demitido em dezembro, ante os resultados decepcionantes da Innogy.

A transação avalia a Innogy em 22 bilhões de euros, e a E.ON fará uma oferta de compra aos acionistas minoritários. Depois, a atividade de produção de energias renováveis da filial passará à RWE, enquanto a E.ON manterá seus outros dois pilares.

A RWE comprará também da E.ON por 1,5 bilhão de euros suas partes minoritárias em duas de suas centrais nucleares alemãs, em Emsland e Gundremmingen.

Na Alemanha, resta apenas um punhado de centrais atômicas, que produzem 15% da eletricidade do país. Mais de 30% da energia procedem das renováveis, e esta proporção deve alcançar teoricamente 80% em 2050.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Kim Jong-un retorna à China após cúpula com Trump
- Acordo entre Trump e Kim gera insegurança ao futuro político do planeta
- Papa compara certos tipos de abortos a eugenia nazista
- Píton gigante mata e engole mulher na Indonésia
- Presidente da Síria faz aparição rara fora de Damasco
- ONU revela que 2,5 milhões de emigrantes recorreram a traficantes de pessoas em 2016
- Trump minimiza violações dos direitos humanos no regime de Kim Jong Un
- Papa aceita renúncia de três bispos chilenos
- Prossegue busca por desaparecidos após erupção na Guatemala
- Trump reclama de ida ao G7 e pensa em desistir de viagem, diz jornal
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.