CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SÁBADO, 25 DE MAIO DE 2019
ULTIMA NOTÍCIA:
Kings Sneakers apresenta coleção outono/inverno 2019
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
General norte-coreano e Ivanka Trump no encerramento das Olimpíadas de Inverno
Data Publicação:25/02/2018
O general norte-coreano Kim Yong Chol e a filha de Donald Trump, Ivanka, assistiram neste domingo a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang.

De acordo com imagens da área VIP do Estádio Olímpico, o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, apertou a mão de Ivanka Trump e logo depois do general Kim Yong Chol, sentando uma fila atrás da filha do presidente dos Estados Unidos.

Mas os representantes da Coreia do Norte e dos Estados Unidos aparentemente não fizeram contato direto.

Mais cedo, a delegação norte-coreana, liderada por um polêmico general considerado um "criminoso de guerra" pela oposição sul-coreana, foi recebida pelo vice-ministro da Unificação de Seul, Chun Hae-sung, no posto fronteiriço de Dorasan.

A visita de Kim Yong Chol provocou a ira da oposição conservadora sul-coreana, porque ele é suspeito de ter ordenado os disparos de torpedo contra a corveta sul-coreana Cheonan em 2010, que matou 46 pessoas. Pyongyang sempre negou qualquer responsabilidade.

Centenas de pessoas protestaram perto da fronteira durante a noite e exigiram que Kim Yong Chol "pedisse desculpas de joelho às famílias das vítimas", de acordo com uma bandeira.

Apesar de não sofrer sanções do Conselho de Segurança da ONU, é alvo de sanções unilaterais sul-coreanas.

A presença em Pyeonchang desta delegação de oito membros é a ilustração final do frenesi diplomático que dominou a península desde que o Norte anunciou em 1º de janeiro que participaria das Olimpíadas de Inverno.

Depois de dois anos de tensões crescentes, em razão dos testes de mísseis e atômicos de Pyongyang, a Coreia do Norte embarcou em uma ofensiva positiva durante Jogos, que Seul vendeu como "os da paz".

Para a cerimônia de abertura, o líder norte-coreano Kim Jong Un enviou sua irmã Kim Yo Jong, que ficou a poucos metros do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence.

Nesta primeira viagem ao Sul de um membro da dinastia que governa o Norte há décadas, ela convidou Moon para uma cúpula em Pyongyang.

No sábado, o presidente sul-coreano se reuniu com o general Kim por uma hora, segundo a Casa Azul, que não forneceu detalhes sobre o encontro.

Ao apostar numa distensão com o Sul, alguns especialistas acreditam que o Norte tenta polir sua imagem para obter uma atenuação drástica das sanções internacionais engendradas por seus programas militares.

Mas, sinal de que esta "trégua olímpica" não teve impacto na espinhosa questão nuclear, Donald Trump anunciou novas sanções unilaterais contra a Coreia do Norte, que ele acusou no sábado de trazer "as nuvens da guerra" para a península.

"Como dissemos muitas vezes, consideraremos qualquer tipo de bloqueio como um ato de guerra contra nós", declarou um porta-voz do ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, citado pela agência oficial de notícias KCNA.

"Trump está tentando nos fazer mudar com essas sanções e suas observações hostis, o que mostra sua ignorância sobre nós", ressaltou o ministério.

"Nós já temos nossas próprias armas nucleares, uma espada da justiça para nos proteger contra esse tipo de ameaça dos Estados Unidos".

As novas sanções visam mais de 50 companhias marítimas e navios que, de acordo com o executivo americano, ajudam Pyongyang a contornar as muitas restrições a que o regime está sujeito.

Um pouco mais tarde, no entanto, a presidência sul-coreana assegurou que durante a reunião com a delegação norte-coreana, a Coreia do Norte se mostrou "disposta" a conversar com os Estados Unidos.

A delegação norte-coreana "concordou que o diálogo intercoreano e as relações do Norte com os Estados Unidos deveriam melhorar ao mesmo tempo", disse Seul em um comunicado.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Trump anula sanções contra Pyongyang por apreço a Kim Jong Un
- Guaidó chega a Bogotá para aumentar pressão contra Maduro na Venezuela
- Observadores da ONU para cessar-fogo no Iêmen chegam a Hodeida em meio a novos confrontos
- Itamaraty não recebeu notícias de brasileiros vítimas de tsunami
- Trump rejeita acordo para evitar paralisação do governo
- Devedor pode ter passaporte e CNH bloqueados até quitar os débitos; entenda
- Goodyear fecha fábrica na Venezuela e paga funcionários com pneus
- Graças à sonda InSight, a humanidade agora pode ouvir os ventos de Marte
- Trump e Xi Jinping concluíram trégua comercial
- Novo protesto contra o governo mergulha França no caos
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.