CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEXTA-FEIRA, 20 DE ABRIL DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Lula recebe visita de parentes, mas Nobel e teólogo são barrados
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
Rússia adverte Estados Unidos após derrubada de avião militar sírio
Data Publicação:19/06/2017
A Rússia advertiu nesta segunda-feira que os aviões da coalizão liderada pelos Estados Unidos que sobrevoarem o oeste do rio Eufrates serão "considerados alvos" na Síria, e suspendeu seu canal de comunicação com Washington, após a derrubada de um caça sírio pela aviação americana.

A Rússia está envolvida militarmente junto ao regime sírio de Bashar Al-Assad, enquanto os Estados Unidos apoiam e armam uma aliança árabe-curda e os rebeldes sírios.

Um canal de comunicação entre os dois países foi estabelecido em outubro de 2015 para prevenir colisões entre as diferentes forças que operam no espaço aéreo sírio.

Um caça americano derrubou no domingo um avião do exército sírio, que, segundo Washington, bombardeava as forças apoiadas pelos Estados Unidos e que lutam contra o grupo Estado Islâmico (EI) no norte da Síria.

O ministério da Defesa russo acusou os Estados Unidos de não utilizar o canal de comunicação com Moscou antes de derrubar o avião sírio perto de Raqa.

"Devemos considerar este ataque como uma continuação da política americana que procura ignorar as regras do direito internacional", declarou o ministro russo das Relações Exteriores, Vice Serguei Riabkov, citado pela agência oficial de notícias TASS.

"Se não é um ato de agressão, o que é então?", questionou. "Se querem saber, é uma ajuda aos terroristas contra os quais os Estados Unidos afirmam conduzir uma política antiterrorista", disse Ryabkov.

"Os aviões e drones da coalizão internacional localizados ao oeste do Eufrates serão seguidos pelos instrumentos aéreos e terrestres de defesa antiaérea russa e considerados como alvos", anunciou o ministério da Defesa em um comunicado.

A Rússia dispõe de sistemas de defesa antiaéreos S-300 e S-400, mobilizados principalmente em sua base de Hmeimim, na Síria, e de dezenas de caças e bombardeiros que operam desde o fim de setembro de 2016 em apoio ao exército de Bashar al-Assad.

Os meios russos de defesa antiaérea em terra apontarão, sem necessariamente disparar, contra os aviões que voam ao oeste da linha imaginária entre Raqa e Deir Ezor. E os caças russos poderiam ser mobilizados para interceptar aviões e drones da coalizão liderada pelos Estados Unidos.

Logo após a derrubada do avião do regime irromperam pela primeira vez combates entre tropas leais a Bashar al-Assad e as FDS, a aliança árabe-curda apoiada pelos Estados Unidos na província de Raqa, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Espaço aéreo saturado

Neste contexto, o Irã, aliado do regime de Damasco, disparou no domingo mísseis de meio alcance contra alvos do EI no leste da Síria.

Segundo Teerã, tratou-se de uma represália após o duplo atentado que matou 17 pessoas na capital iraniana no início do mês e que foi reivindicado pelo EI.

Prova da complexidade da guerra na Síria está no espaço aéreo do país, saturado de aviões do regime, da Rússia, da coalizão internacional e, por vezes, até da vizinha Turquia.

O risco de escalada acontece num momento em que as tropas sírias se aproximam perigosamente das zonas controladas pelas forças apoiadas pelos Estados Unidos, especialmente as FDS.

Ao reagir à derrubada de seu avião, a Síria declarou que a coalizão abateu o caça quando este realizava "uma missão contra o EI" e falou de uma "flagrante agressão".

Segundo Sam Heller, especialista em Síria da The Century Foundation, estes incidentes devem ser considerados como fatos isolados e não uma escalada.

"Nenhuma das partes quer provocar deliberadamente uma escalada", apontou.

Na província de Raqa, o regime não participa na ofensiva contra a capital, mas tenta alcançar a região através da província petrolífera de Deir Ezzor.



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- ONU pede que Colômbia acelere acordo de paz
- Aumenta tensão na França com ocupação de universidades e greve ferroviária
- Trump confirma que diretor da CIA se reuniu com Kim Jong Un na Coreia do Norte
- Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
- Papa consola criança que perguntou se pai ateu estava no céu
- Menino descobre tesouro de famoso rei dinamarquês do século X
- Missão mobilizada na Síria e reunião em Haia sobre ataque químico
- Macron garante que bombardeios na Síria não foram declaração de guerra
- OPAQ começa a investigar suposto ataque químico na Síria
- EUA prontos para bombardear a Síria em caso de novos ataques químicos
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.