CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SÁBADO, 25 DE MAIO DE 2019
ULTIMA NOTÍCIA:
Kings Sneakers apresenta coleção outono/inverno 2019
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
Com fome, africanos enterram corpos com ebola por R$ 15
Data Publicação:26/08/2014

Com o surto de ebola ameaçando toda a África Ocidental, Serra Leoa começou a contratar cidadãos para lidar com os corpos das vítimas da doença. Mesmo com medo, muitas pessoas aceitaram ganhar R$ 15 por dia para esterilizar e enterrar os corpos das vítimas. As informações são do site Daily Mail desta segunda-feira (25).

À medida que a crise continua a se espalhar entre os países do oeste africano, trabalhadores em Kenema, em Serra Leoa, foram ganhando trajes e máscaras de proteção especiais para realizar a tarefa angustiante de enterrar com segurança os corpos infectados pelo vírus.

Medidas rigorosas de quarentena têm sido postas em prática em todo o país para impedir a propagação do vírus que já afetou mais de 2.600 pessoas em todo o mundo.

A disseminação do vírus também colocou em prática quarentenas em uma das áreas mais afetadas da Libéria.

Em Dolo Town, soldados criaram um bloqueio vigiado com homens armados para impor a quarentena em cerca de 20 mil moradores que vivem próximo ao aeroporto internacional.

Residentes na área de West Point de Monróvia, onde o surto foi particularmente intenso, ficaram desesperados por conseguir comida, já que eles estão proibidos de sair da área e são forçados a esperar por fontes do governo.

Não há cura para o ebola e os surtos têm uma taxa de mortalidade de até 90%. Os efeitos da doença aparecem normalmente entre dois e 21 dias após a infecção.

O vírus é transmitido de animais selvagens  para pessoas e se espalha na população humana por meio do contato com as secreções de pessoas contaminadas.




Fonte:R7



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Trump anula sanções contra Pyongyang por apreço a Kim Jong Un
- Guaidó chega a Bogotá para aumentar pressão contra Maduro na Venezuela
- Observadores da ONU para cessar-fogo no Iêmen chegam a Hodeida em meio a novos confrontos
- Itamaraty não recebeu notícias de brasileiros vítimas de tsunami
- Trump rejeita acordo para evitar paralisação do governo
- Devedor pode ter passaporte e CNH bloqueados até quitar os débitos; entenda
- Goodyear fecha fábrica na Venezuela e paga funcionários com pneus
- Graças à sonda InSight, a humanidade agora pode ouvir os ventos de Marte
- Trump e Xi Jinping concluíram trégua comercial
- Novo protesto contra o governo mergulha França no caos
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.