CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUARTA-FEIRA, 23 DE MAIO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
No Afeganistão, um alcorão de seda para preservar o patrimônio cultural
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Goiás
  Goiás
 
Filho de ex-deputado, fazendeiro enfrenta júri popular acusado de matar peão após briga em bar, em Goiás
Data Publicação:16/05/2018
O fazendeiro Alexandre Henrique de Castro, filho do ex-deputado estadual Ibsen de Castro, enfrenta o júri popular nesta quarta-feira (16), em Goiânia, acusado de matar o peão Benjamin de Moura Camargo em 1998 por causa de uma briga de bar. O crime aconteceu no município de Jussara, no centro do estado, mas o processo foi encaminhado para a capital por “desaforamento” – o réu tem suposta influência na região original, por ser filho do ex-deputado e ex-secretário de Estado.

A sessão começou por volta de 8h30, na 3ª Vara dos Crimes Dolosos Contra a Vida e Tribunal do Júri e é presidida pelo juiz Jesseir Coelho de Alcântara. Nenhuma testemunha foi arrolada para participar da sessão. Até as 9h, o G1 não havia conseguido conversar com familiares do acusado ou da vítima.

Durante o julgamento, Alexandre se defendeu das acusações, alegando que a morte do peão é atribuída a ele por questões políticas, pois, na época do fato, o irmão dele, Itamar de Castro, era candidato a prefeito de Jussara.

“Eu não matei e não posso dizer para o senhor quem matou. Não tive nenhum problema com a vítima. Ele estava tonto e houve uma conversa [de que ele não iria para a fazenda porque não tinha mulher lá]. Eu estava sentado no bar, mas não vi disparo de arma de fogo. Eu tinha tomado duas cervejas. Sai de lá e fui para a fazenda a 3km", contou.

O réu conta ainda que foi dormir e, no dia seguinte, foi para Goiânia. "Sinceramente, eu não sei porque estou sendo acusado, por que eu estava dormindo. Muitos falam que é pela questão política, porque meu pai era deputado pelo MDB, e não tinham nada para incriminar minha família. Foi em período eleitoral, meu irmão, Itamar Castro, era candidato a prefeito e perdeu, por 20 votos. Eles soltaram documento falando sobre a morte do Tião antes das eleições”, disse o fazendeiro.


Fonte:https://g1.globo.com/go/goias



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Secretária de Saúde diz desconhecer vagas ociosas e seleção de pacientes para UTIs em Goiânia
- MEC transforma campus da Universidade Federal do Goiás em nova instituição de ensino
- Empregados e empresários de Goiás participam da Semana da Conciliação Trabalhista para solucionar impasses
- Piloto faz pouso de emergência em Água Limpa, GO
- Falsos pescadores de GO e MG compravam kit de pesca para forjar atividade e receber benefício, diz PF
- Mecânico é absolvido por júri popular da acusação de ter matado a namorada após briga de bar em Goiânia
- Jovem toma arma e mata policial durante briga em bar de Americano do Brasil
- Homem é mantido em cárcere privado, torturado e roubado em Anápolis
- Secretária de Saúde falta pela 3ª vez a depoimento à polícia por morte de pacientes à espera de UTI em Goiânia e Aparecida
- Três empresas são habilitadas para seguir na licitação das obras do Parque Serrinha, em Goiânia
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.