CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SÁBADO, 18 DE NOVEMBRO DE 2017
ULTIMA NOTÍCIA:
Dodge recorre de decisão que tirou o sigilo da delação de marqueteiro
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Ecologia
  Ecologia
 
Ministro da Educação deposto desafia junta militar da Tailândia
Data Publicação:27/05/2014

angcoc, 27 mai (EFE).- O ministro da Educação deposto na Tailândia, Chaturon Chaisang, desafiou neta terça-feira a junta militar que tomou o poder no país ao não reconhecer sua autoridade e defender o restabelecimento da democracia.

"Os líderes militares poderiam ter escolhido outra alternativa desde o princípio. A situação não teria se deteriorado e não teria se tornado uma desculpa para dar o golpe se tivessem cooperado com o governo para fazer cumprir a lei e tratar todas as partes com justiça", disse Chaturon em uma conferência no Clube da Imprensa Estrangeira.

O chefe do exército da Tailândia, Prayuth Chan-ocha, deu um violento golpe de Estado em 22 de maio para, segundo ele, garantir a paz e a ordem após meses de manifestações que deixaram 28 pessoas e mais de 800 feridas.

O ex-ministro é uma das mais de 200 pessoas que a junta militar citou após o levante e das quais pelo menos a metade continua detida.

Chaturon esclareceu que não cumprir a intimação por não reconhecer a autoridade do regime e explicou que, em sua experiência, após viver golpes como estudante, parlamentar e ministro, as pessoas convocadas pelos golpistas sempre acabam detidas.

O político foi um dos milhares de estudantes que reivindicaram mais liberdade em 1976 e que terminaram esmagadas pelo exército, e passou os anos seguintes na clandestinidade até que a anistia fosse aprovada.

"Não tenho intenção de fugir, resistir ou lutar na clandestinidade, estou preparado para que me prendam", disse Chaturon.

O ex-ministro disse que se escondeu quando foi chamado pela junta militar porque sabia que seria detido, mas tudo mudou desde que o rei legitimou o golpe de Estado (ontem), e por isso decidiu se manifestar para defender a democracia.

Chaturon opinou que todas as medidas adotadas pelos golpistas desde que tomaram o poder e até receberem o respaldo do rei são ilegais, e "isto se demonstrará porque em breve vão aprovar uma anistia para se proteger".

A junta militar dissolveu o governo e o legislativo, suspendeu a Constituição, exceto as disposições da monarquia, decretou toque de recolher e censurou os meios de comunicação.

A Tailândia sofreu 12 golpes militares desde o estabelecimento da democracia, em 1932. O último deles foi em 2006 e é o responsável pela crise política que arrasta o país desde então




Fonte:EFE



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Galápagos sob nova ameaça com vazamento tóxico de navio encalhado
- Aquecimento dos oceanos derrete uma das maiores geleiras da Antártida
- Desmatamento da Amazônia diminuiu 18% em um ano, segundo dados oficiais
- Ministro da Educação deposto desafia junta militar da Tailândia
- Greenpeace pede fechamento das centrais nucleares europeias mais antigas
- Google captura imagens das ilhas Galápagos para o Street View
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.